ALIANÇA GLOBAL DE CATADORES
ALIANÇA GLOBAL DE
CATADORES
A Aliança Global de Catadores é um processo de articulação entre milhares de organizações de catadores de materiais recicláveis apoiado pela WIEGO em mais de 28 países cobrindo principalmente América Latina, Ásia e África.
Apoiado por Logo WIEGO

publicado por
Escrito por Felipe RT

Região

País Brasil

setembro 15, 2017


Verifique a tradução:

Foto: Luisa Brito

No dia 21 de julho 2017 teve lugar o evento Pimp Nossa Cooperativa. Contamos com a presença de mais de 300 pessoas entre cooperados com as famílias, artistas, palestrantes, técnicos, profissionais em saúde, voluntários, parceiros e curiosos.

Foi uma excelente oportunidade para compartilhar e reconhecer a alegria de trabalhar juntos. As crianças e os cooperados participaram de oficinas de agricultura urbana, yoga, meditação, vacinação, dentista. Com o trabalho coletivo construímos a identidade visual da Cooper Viva Bem. Demostramos a comunidade que existe uma atividade importante, seria e fundamental, sendo desempenhada dentro daquele espaço.

Foto: Luisa Brito

A criação desta identidade visual atua como um referencial entre a comunidade do entorno e deverá ter um amplo alcance junto a milhares de pessoas que passam diariamente na Marginal Tiete. Divulgando e reconhecendo o serviço socioambiental prestado pelos cooperados e cooperadas das centrais de triagem de materiais recicláveis, que na verdade atuam como “servidores públicos de todos os cidadãos, da indústria e do estado”, processando nossos resíduos de uma forma mais sustentável.

Contexto

Foto: El Doze

A Cooperativa de Produção dos Trabalhadores em Materiais Recicláveis de São Paulo, conhecida através por seu nome fantasia “Cooper Viva Bem”, foi registrada como cooperativa, no ano de 2004 a partir da inciativa de catadores autônomos para potencializar a venda dos resíduos coletados. Atualmente conta com 74 cooperados associados que mensalmente processam uma média de 180 toneladas de resíduos. Na sede principal trabalham 47 pessoas das quais 30 são mulheres (64%).

Em muitos casos os galpões das cooperativas estão situados em áreas vulneráveis e afastadas da cidade. Mas este não é o caso da Viva Bem, que se localiza próxima a Marginal Tietê, uma das principais vias de acesso da cidade de São Paulo.

No entanto, na Viva Bem estão sempre sujeitos a depredação do patrimônio do galpão e furto de materiais e equipamento. Recentemente, com muito esforço e trabalho, os cooperados conseguiram tirar de sua própria renda o valor de mais de R$50 mil para a construção do muro de 120m de comprimento e 4m de altura, necessário para a proteção e segurança da Cooperativa.

Desde fevereiro do 2017 a Associação Caminho Suave vem trabalhando no melhoramento das condições de trabalho na cooperativa com o programa “Operação Belezura”. Foi através da iniciativa de pintar esse muro que o programa fez contato com diversas pessoas e entidades (p.e. WIEGO) e o coletivo feminino de graffiti Efêmmera que posteriormente indicou a ação de Pimp Nossa Cooperativa. Assim no dia 21 de julho, a Viva Bem foi revitalizada, embelezada, transformada, recuperada e reconhecida.

Catadoras

Destacamos a força da mulher que está presente no papel das cooperadas e chefes de família na Viva Bem, fato este comum na maior parte das cooperativas de reciclagem. Na Viva Bem elas são maioria.

Contextualizando, as esteiras de triagem são as artérias da cooperativa pelas quais entra a maior parte do material para ser separado e qualificado. No galpão encontramos duas, que são operadas basicamente por mulheres. São elas também responsáveis pela separação de materiais como plástico isopor e vidro, os dois últimos locais estão situados na parte exterior do galpão, onde ainda ficam expostas ao sol e a chuva. Na cozinha e no escritório também são mulheres, com exceção de um tesoureiro. Além disso a liderança da cooperativa está sob responsabilidade de uma mulher muito forte, que além da grande responsabilidade de ser presidente é mãe e chefe de família.

Enfatizando o acima exposto, foi ressaltado o importante papel das Catadoras “mulheres chefe de família na reciclagem e nas cooperativas”. O trabalho coletivo, junto com as Efêmmeras estabeleceram o diálogo com a comunidade através do graffiti, disseminando a cultura, a arte, a reciclagem e a justiça social. Acesse ao site para ver o registro completo desta e outras ações do Pimp My Carroça.


Este artigo faz parte da série “Retratos do Coração da Reciclagem”.
Felipe RT (Andres Felipe Rodrigues Torres) é parte de UNAL,  UNICAMP e USP.

Este artigo também está disponível em Inglês



  1. Iniciativa maravilhosa!

    Comentário by lucia lamounier sena — setembro 15, 2017 @ 10:20 am