GLOBAL ALLIANCE OF WASTE PICKERS
GLOBAL ALLIANCE OF
WASTE PICKERS
The Global Alliance of Waste Pickers is a networking process supported by WIEGO, among thousands of waste picker organizations with groups in more than 28 countries covering mainly Latin America, Asia and Africa.
Supported by Logo WIEGO

by

February 03, 2012


Check translation:

Brasil – 3 fev 2012 –

A Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) publicou, no Jornal Oficial desta sexta-feira (3), dois termos aditivos referentes aos contratos que possui com as cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis e de Resíduos Sólidos (Coopersil) e Regional de Coleta Seletiva e Reciclagem (Cooprelon). As publicações reduzem significativamente o número de domicílios atendidos por cada entidade e, consequentemente, os valores dos acordos.

Cada cooperativa, no caso, ganhava quase R$ 160 mil por mês para fazer o serviço em 95 mil domicílios de Londrina, além de R$ 70,78 por tonelada de lixo reciclado coletado e comercializado. Os aditivos, publicados nesta sexta, diminuem os preços pagos pela coleta e o número de imóveis atendidos pelas entidades.

O contrato com a Cooprelon sofreu supressão de pouco mais de 30 mil imóveis. A cooperativa vai passar a cuidar de cerca de 60 mil domicílios, além dos distritos rurais. A diminuição reflete a redução nos valores pagos referente aos serviços de transbordo (de R$ 63 mil para R$ 45.391,83) e ao aluguel de barracões (de R$ 70 mil para R$ 42 mil). Por outro lado, o aditivo aumenta o valor pago pelo recolhimento do INSS (R$ 13,2 mil para R$ 28.422,09) e pela remuneração dos cooperados, de R$ 25.572,84 para R$ 45.391,83. Isso porque a Cooprelon sofreu aumento no número de recicladores, de 150 para 180.

Já no caso da Coopersil, há a redução de pouco mais de 13 mil domicílios, ou seja, a cooperativa ficará responsável, a partir de agora, por 82 mil imóveis. O contrato da cooperativa também sofreu diminuição, de cerca de R$ 10 mil. Além disso, o aditivo dividiu a cláusula referente aos preços pagos em mais itens. Antes, a redação ia até a letra ‘d’. Agora, vai até a letra ‘f’. A CMTU vai pagar R$ 22.880,00 mil para a cooperativa pelo recohimento do INSS, R$ 47.052,35 pela remuneração dos cooperados; R$ 51.876,38 pelo serviço de transbordo e R$ 28,1 mil pelo aluguel dos barracões.

A partir de agora, a Cooprelon vai receber pouco mais de R$ 120 mil mensais pelos serviços. Já a Coopersil receberá cerca de R$ 145 mil por mês.

Os pouco mais de 40 mil domicílios, suprimidos dos contratos com as duas cooperativas, serão oferecidos, através de um novo acordo, para a Coocepeve. Representantes da cooperativa e da CMTU se reuniram nesta sexta-feira (3) para discutir a questão. A presidente da entidade, Sandra Araújo Barroso, informou que os recicladores aceitam ficar responsáveis por 30 mil domicílios. “Tínhamos a intenção de pagar R$ 100 mil mensais para a Coocepeve pelo serviço em 49 mil imóveis. Como a entidade pediu a redução, vamos ter que recalcular os valores”, disse o presidente da CMTU, André Nadai.

Uma nova reunião, marcada para a próxima segunda-feira (6), deve decidir os valores e culminar no firmamento do contrato. “Estamos muito próximos de conseguir fechar o acordo.” O impasse já virou ‘novela’. Companhia municipal e Cocepeve discutem a questão desde novembro do ano passado.

O restante dos domicílios, que deve sobrar após o eventual firmamento do contrato com a Coocepeve, deve ser atendido pelo próprio município. “Vamos recolher o reciclável por meio do programa Cesta Verde, da Secretaria de Agricultura, dos mutirões com a Saúde e com veículos próprios”, listou André Nadai. O material, segundo ele, será recolhido pela prefeitura, mas a destinação será feita pelas próprias cooperativas. “Vamos fazer o encaminhamento aos barracões, para que os recicladores deem continuidade ao trabalho”, explicou. Ler o artigo original