GLOBAL ALLIANCE OF WASTE PICKERS
GLOBAL ALLIANCE OF
WASTE PICKERS
A Aliança Global de Catadores é um processo de articulação entre milhares de organizações de catadores de materiais recicláveis apoiado pela WIEGO em mais de 28 países cobrindo principalmente América Latina, Ásia e África.
Apoiado por Logo WIEGO

publicado por
Escrito por Deia de Brito

setembro 05, 2013


Verifique a tradução:
08/15/2013
The Movement of Excluded Workers (MTE) at a vigil during World Youth Week. (photo: Deia de Brito)

Movimento dos Trabalhadores Excluidos (MTE) na Jornada Mundial. (Foto: Deia de Brito)

Em julho, 48 catadores (conhecidos na Argentina como “cartoneros”) com o Movimiento de Trabajadores Excluidos (MTE) viajaram de ônibus de Buenos Aires para o Rio de Janeiro para encontrar Papa Francisco. O Papa convidou a delegação de jovens cartoneros para se sentarem perto dele e encontrá-lo durante atividades da Jornada Mundial da Juventude, uma união de jovens Católicos do mundo inteiro. Eu tive a chance de conversar com alguns dos jovens cartoneros uma noite durante a vigília final.

Pablo, of the MTE. (Photo: Deia de Brito)

Pablo, do MTE. (Foto: Deia de Brito)

Pablo, 19 anos,  é filho de catadores. Ele começou a trabalhar quando tinha 7 anos. Ele continuou a trabalhar na catação até o ano passado quando teve a oportunidade de voltar aos estudos. Ele teve que parar de estudar aos 15 anos para poder ajudar a família durante um período difícil. “Eu tive que ajudar a minha família”, disse Pablo. Agora ele assiste aulas do colégio para adultos.

MTE youth workers. Florencia Palacios on the right. (Photo: Deia de Brito)

Jovens trabalhadores do MTE. Florencia Palacios no meio, à direita. (Foto: Deia de Brito)

Florencia Palacios, 18 anos, trabalha com MTE a 4 anos. A sua mãe é a presidente de uma cooperativa com 52 associados no Bairro Corcova, Argentina. Eles coletam materiais com caminhonete em vários bairros para levar à cooperativa para triar. O pai da Florencia foi presidente da cooperativa e todos os documentos estavam no nome dele. Quando ele faleceu, a mãe dela teve que vender a metade da casa para poder registrar a cooperativa, ela disse. Florencia tem 5 irmãos mas ela é a única deles que trabalha como catadora. “É emocionante ter o Papa ao nosso lado” disse Florencia.

Yamila Lopez, on the right, with an MTE co-worker. (Photo: Deia de Brito)

Yamila Lopez, à direita, junta com uma companheira do MTE. (Foto: Deia de Brito)

Yamila Lopez, 20 anos, é catadora a dois anos. O pai dela é o presidente da cooperativa onde ela trabalha. Ele tem lutado durante dois anos para conseguir um espaço adequado onde trabalhar. “Queremos que todos tenham um lugar digno onde trabalhar e não ter que trabalhar na rua com carroças” disse Yamila. “Queremos que todos tenham uma caminhonete para poder trabalhar bem.”

“Há muitas pessoas que ainda não estão organizadas – particularmente nos bairros mais pobres” disse Yamila. “Pessoas que não tiveram a oportunidade de trabalhar numa cooperativa. A maioria dos catadores organizados estão nas cidades, não nas áreas rurais.”

Os catadores organizados fazem trabalho de divulgação sobre a importância de trabalhar de uma forma organizada. Nesse momento a cooperativa onde ela trabalha está lutando para ter um lugar físico, uma base, para poder trabalhar.

Eduardo Ismael Rodriguez at the Copacabana vigil. (Photo: Deia de Brito)

Eduardo Ismael Rodriguez at the Copacabana vigil. (Photo: Deia de Brito)

Eduardo Ismael Rodriguez, 20 anos,  trabalha na Cooperativa 9 de agosto em Buenos Aires, na Argentina. Ele trabalha como catador desde os 7 anos. A família dele não trabalha mais na catação. “Eu sou o único catador da família agora” ele disse. Ele trabalhou durante muitos anos como catador independente, sem nenhuma ligação a uma cooperativa. Ele virou cooperado da 9 de agosto aos 17 anos. “Melhorou a minha vida muito”, ele disse. “Demais”.

“Não quero ser catador a minha vida inteira”, disse Eduardo. “Estava estudando economia antes de largar os estudos”.

Mais fotos da delegação de associados do MTE